Vacina e repelente: já não dá mais para viver sem eles

Em são Paulo, até esta data, 16 parques estão fechados ao público como medida de prevenção: 15 na zona norte e mais o Parque Ecológico do Tietê, na Zona Leste.

No período de um ano, o Brasil já soma 779 casos de febre amarela, que resultaram em 262 mortes, o pior surto desde que o Ministério da Saúde passou a fazer o registro dos casos, na década de 1980.

De acordo com o Boletim epidemiológico da Secretária de Saúde do Estado de São Paulo, de 21 de novembro, foram registrados 52 casos desde janeiro, sendo 23 casos por infecção local e 29 que contraíram a doença em outros estados.

Risco urbano 

Além da gravidade da doença, que apresenta alta taxa de mortalidade, a preocupação agora é que ela se dissemine nas das grandes cidades. De janeiro até a primeira quinzena de novembro, foram confirmados 184 casos de febre amarela em macacos, sendo que a região de Campinas foi a mais atingida, com 172 animais e, desde julho deste ano, foram constatados 4 casos em macacos na capital e também em outros municípios da Grande São Paulo.

Embora não tenha sido registrado nenhum caso de febre amarela em humanos na capital, o risco existe porque as pessoas podem se infectar pela febre amarela silvestre e serem picadas pelo Aedes aegypti, que é o principal vetor da forma urbana da febre amarela. Dessa forma, tem início o ciclo urbano da doença.

Quem deve se vacinar

Portanto, mais do que nunca, prevenção é palavra de ordem.  Vacina e repelente são prioridade. A vacina é indicada para todas as pessoas que vivem ou trabalham num raio de 500 metros das áreas de risco para a doença (no entorno dos parques fechados) e está disponível gratuitamente nos postos de saúde. Ela pode ser aplicada a partir dos 9 meses e é válida por toda a vida.

Para gestantes, mulheres samamentando, pessoas com o sistema imunológico debilitado (pacientes em tratamento quimioterápico, radioterápico ou com corticoides em doses elevadas como portadores de Lúpus, por exemplo)  e pessoas alérgicas a gema de ovo, a vacina é contraindicada.  Quem está tentando engravidar, também não deve tomar a vacina, pois já pode estar grávida.

A vacina leva uns 10 dias para proteger a pessoa da doença, pois o organismo precisa desse tempo para produzir anticorpos contra o vírus. Então, não descuide do repelente nesse período. 

Veja aqui a lista do postos de vacinação contra a Febre Amarela na cidade de São Paulo.

Sintomas

Os sintomas são febre, calafrios, dor de cabeça e dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, cansaço e fraqueza.

Em casos graves, a pessoa pode apresentar icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos), hemorragia e insuficiência de vários órgãos. Por isso é importante procurar uma unidade de saúde ao perceber os primeiros sintomas.

Repelente sempre!

É bom destacar que a vacina só protege contra a febre amarela. Os riscos de contrair outras doenças (dengue, chikungunya e zika)  transmitidas pelo Aedes  aegypti continuam. Os especialistas recomendam o uso do repelente, um dos mais eficazes cuidados para se evitar doenças transmitidas por mosquitos.

compre agora clicando na imagem

Uma das melhores opções para se proteger contra dengue, chikungunya, zika e febre amarela é o Repelente Nutripele, que contem em sua fórmula um dos mais seguros ingredientes do mercado, o IR3535, aprovado pela Anvisa para bebês a partir dos 6 meses de idade.  Ele possui 30% do ativo repelente, a maior concentração entre todos os repelentes disponíveis no Brasil, garantindo 5 horas de proteção.

A segurança e a suavidade da loção Repelente Nutripele,  indicado inclusive para gestantes e mulheres amamentando, é garantida também pela fórmula hipoalergênicasem perfume e sem álcool. Além de proteger contra mosquitos, ela hidrata e é muito fácil de espalhar, deixando a pele macia, suave e não grudenta.

O Repelente Nutripele com IR3535, além de atuar contra o Aedes aegypti, tem eficácia comprovada também contra os mosquitos albopictus Anopheles gambiae e funestus, Culex pipens e o Culex quinquefasciatus, piolhos, mutucas, borrachudos, abelhas, moscas domésticas e vespas.

Medidas de proteção

Vale lembrar usar repelente não é apenas uma decisão de proteção individual, mas uma atitude que ajuda a prevenir as doenças transmitidas por mosquitos na sua família, no seu bairro, na sua cidade, no seu país e no seu planeta.

E não esqueça que outra medida essencial é a constante eliminação de possíveis focos do mosquito Aedes aegypti.

  • Mosquitos e pernilongos se reproduzem em água parada. Crie uma rotina semanal de ações para eliminar os focos do mosquito na sua casa.
  • Aedes aegypti voa baixo e costuma picar na parte inferior do corpo. Usar calças compridas e meias pode ajudar na proteção. Em área com muitos mosquitos, vale também o uso de mangas compridas.
  • Instale telas nas janelas de casa. O é antigo, mas ainda é muito eficaz. 
  • Evite roupas escuras. O Aedes aegypti tem rejeição à claridade e é atraído pelo calor. Por isso, dê sempre preferências ao uso de roupas claras. 
  • Não esqueça do repelente. 
  • Mobilize a vizinhança: é possível denunciar ao poder público possíveis focos de criadouros do mosquito. 

Nossa Equipe Farmacêutica

Você sabia que é possível reunir repelente com protetor solar num único produto a partir de manipulação?  Ou escolher seu  repelente em spray, gel ou creme – ou seja, da melhor maneira que se adapte a você, à sua pele e ao seu estilo de vida?

Então o que está esperando? Fale agora com a equipe farmacêutica aqui do Laboratório Buenos Ayres  preenchendo o formulário abaixo para  solicitar o produto manipulado mais adequado para você!